quarta-feira, 22 de setembro de 2010

BNDES libera recursos para estádios em Cuiabá, Salvador e Fortaleza


Banco aprovou hoje os financiamentos para arenas das três cidades-sede

Da redação - Portal 2014
postado em 22/09/2010 19:28 h
 
O BNDES aprovou hoje (22/9) os três primeiros projetos do programa BNDES ProCopa Arenas, criado pelo banco para financiar a construção ou reforma dos estádios que receberão jogos do Mundial de 2014. Os Estados da Bahia (R$ 323,6 milhões), do Ceará (R$ 351,5 milhões) e do Mato Grosso (R$ 393 milhões), cujas capitais estão entre as 12 sedes da Copa do Mundo no Brasil, serão os beneficiários dos empréstimos.

Salvador: 4.200 empregos diretos

No caso da Bahia, o financiamento do BNDES é de R$ 323,6 milhões, que serão utilizados na demolição e posterior reconstrução do Estádio Octávio Mangabeira, a Fonte Nova.
Os recursos do BNDES correspondem a 46% do investimento total e são destinados ao governo da Bahia. Com esses recursos, o Estado financiará a Sociedade de Propósito Específico responsável pela construção e operação do equipamento público nas mesmas condições definidas pelo ProCopa Arenas.

O projeto em questão é uma parceria público-privada (PPP) na modalidade concessão administrativa por um prazo de 35 anos. A obra está licitada e o contrato de PPP firmado entre o governo baiano e a Fonte Nova Negócios e Participações S.A., uma SPE formada pelas empresas Odebrecht Investimentos em Infraestrutura Ltda e Construtora OAS Ltda. O prazo estimado para conclusão da obra é dezembro de 2012.

Considerando as etapas de demolição, implantação e operação, o empreendimento deve gerar cerca de 4.200 empregos diretos e indiretos. Além do benefício mais imediato, de viabilizar a participação de Salvador como cidade-sede da próxima Copa do Mundo, o projeto em questão tem o mérito de contribuir para revitalizar uma área da cidade que passou por sério processo de degradação.

Castelão

Em Fortaleza, a reforma e adequação do estádio Governador Plácido Aderaldo Castelo, o Castelãoserá financiada com R$ 351,5 milhões (75% do investimento total) .

O projeto incorpora o conceito de multifuncionalidade, com uso de instalações modularizadas. Isso significa que os espaços internos podem ser adaptados para utilização em eventos esportivos e socioculturais de médio e grande porte. O complexo deve abrigar também restaurantes, museus, salas de convenções, centros culturais e estabelecimentos comerciais. O modelo de gestão é uma parceria público-privada (PPP) administrativa, na modalidade concessão, cujo prazo é de oito anos. Estima-se que, consideradas as etapas de reforma e operação da arena, sejam gerados cerca de 3 mil empregos diretos e indiretos.

Mato Grosso

Em Cuiabá, a Arena Multiuso Pantanal será construída com R$ 393 milhões de financiamento do BNDES, o que corresponde a 74% do investimento total. O estádio terá capacidade para 42 mil espectadores, o que o credencia como sede em potencial para jogos de quartas de final do torneio (as normas da Fifa exigem um mínimo de 40 mil lugares). A construção seguirá o mesmo conceito de estádios flexíveis que foi utilizado nos projetos da Arena Olímpica de Basquete e do Estádio Olímpico de Londres, empreendimentos construídos para as Olimpíadas de 2012.

Como beneficiário do financiamento do BNDES, figura o Estado do Mato Grosso, pois o empreendimento é uma obra pública realizada nos termos da Lei 8.666/93. As obras já estão licitadas, contratadas e em fase de execução. Estima-se que, nessa etapa, serão gerados, de forma direta e indireta, 4 mil empregos.
Fonte: Ass. do BNDES

Nenhum comentário:

Postar um comentário