segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Prédios mais altos do país cobrem o sol em Balneário Camboriú

 27/12/2015 - Folha de São Paulo, Felipe Bächtold

Em uma faixa litorânea de cinco quilômetros entre uma movimentada rodovia e áreas de preservação, construtoras erguem uma fileira de arranha-céus. No térreo, a disputa é por um lugar ao sol: os edifícios criaram zonas de sombra na areia da praia.

Imune à crise, Balneário Camboriú, praia no litoral norte de Santa Catarina, deve dominar em breve a lista de detentores dos maiores prédios da América do Sul.

Diferentemente de outras partes do mundo, os edifícios mais altos do país não serão comerciais, pois servirão de residência para veranistas.

Três empreiteiras locais disputam o título de responsável pelo maior arranha-céu. Hoje, a marca está com o Millenium Palace, de 45 andares. Com a ajuda de uma antena, ele chega aos 177 m e ultrapassa o edifício paulistano Mirante do Vale (170 m).

Dois empreendimentos em construção vão passar dos 240 m: o Yachthouse (74 andares) e o Infinity Coast (66).

As construtoras analisam a viabilidade de projetos com mais de 80 andares e alegam que as megaconstruções são feitas por necessidade de mercado. A regra é evitar apartamentos sem vista para o mar. Com a escassez de terrenos, a saída seria construir, no máximo, duas unidades por pavimento. 

CELEBRIDADES 

"Para viabilizar a obra, [os prédios] precisam de estrutura compatível com os preços dos terrenos, que são caros. É uma das áreas mais valorizadas do país", diz Altevir Baron, diretor da construtora FG Empreendimentos, que tem a atriz americana Sharon Stone como garota-propaganda.

Com 128 mil habitantes, Balneário Camboriú atrai aposentados e endinheirados. Segundo as construtoras, um dos públicos-alvo são milionários do agronegócio do Centro-Oeste e do Sul.

A região também chama a atenção de celebridades, como o cantor Luan Santana e o jogador Neymar, que compraram imóveis por lá. Os empreendimentos seguem a linha "condomínio-clube" e têm unidades que custam por volta de R$ 3 milhões. 

ZONA DE SOMBRA 

Os empresários dizem buscar tecnologia fora do país, já que o Brasil não tem expertise em edificações desse porte. São feitos testes em túneis de vento na Inglaterra, e os elevadores importados podem funcionar em alturas superiores a 150m.

O estilo das construções, que varia de colunas gregas a dezenas de andares envidraçados, gera comparações com Dubai, nos Emirados Árabes, que hoje tem o maior edifício do mundo,com 828m.

Mas também desperta críticas. A mais visível delas é a zona de sombra que as construções projetam na praia a partir do meio da tarde. Há também os paredões dos prédios, que transformam ruas em corredores de ventania. "Ninguém gosta de ficar em uma rua sem luz do dia. Querem fazer [de Camboriú] a Mônaco brasileira, mas veja bem: isso não é um elogio", diz o professor de arquitetura Carlos Barbosa, da Universidade do Vale do Itajaí.

Barbosa diz que as torres não se destacam na paisagem, já que são construídas umas próximas às outras e em ruas estreitas.

Procurada, a prefeitura não confirma as alturas projetadas dos arranha-céus em construção e ressalta que vários ainda estão sob análise. Afirma, porém, que vem tomando medidas para evitar o adensamento urbano, outro questionamento frequente à ambição das construtoras.

O município tem cobrado das incorporadoras a criação de garagens públicas nos prédios. A construção de edifícios mais altos também exige taxas que podem passar de R$ 50 mil por apartamento.

"É preciso equilibrar estrutura urbana, qualidade de vida e atratividade para quem vier investir", diz Alcino Pasqualotto, diretor-geral da construtora Pasqualotto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário