sábado, 19 de agosto de 2017

Elevação das marés deve gerar prejuízo bilionário em SP

18/08/2017 - Panrotas

Victor Fernandes
       
Maurício de Souza/Estadão Conteúdo

O Projeto Metrópole realizou estudo para diagnosticar os impactos da elevação da maré em Santos, Broward, nos Estados Unidos, e Selsey, na Inglaterra. Os resultados foram apresentados ontem na cidade paulista e a situação é preocupante.

Segundo o coordenador-geral do estudo, José Marengo, do Centro Nacional de Monitoramento de Desastres Naturais, não há mais escapatória: “Santos precisará de obras de adaptação”.

A previsão é de que as mudanças climáticas provoquem um aumento do nível do mar, em Santos, de pelo menos 18 centímetros até 2050. E podendo chegar a 45 centímetros em 2100. “Não estamos falando sobre mudanças do clima em um futuro distante, é preciso entrar em ação agora”, afirma Marengo.

"Se nada for feito, o prejuízo será de pelo menos R$ 1,5 bilhão até 2100. Mas essa quantia pode ser bastante otimista, pois tem como base o valor venal das propriedades que sofrerão impactos. Estimamos que o prejuízo real chegue ao dobro, sem contar os custos humanos incalculáveis”, revelou o coordenador-geral da pesquisa ao UOL.

O estudo incluiu uma modelagem de quais áreas da cidade serão inundadas periodicamente em cenários de elevação das marés. Os impactos já são sentidos nas duas áreas mais vulneráveis da cidade, o valorizado bairro da Ponta da Praia e a zona noroeste.

Governo investe cerca de R$ 300 milhões em obras de mobilidade em Teresina

19/082017 - Governo do Estado do Piauí

Entre as obras estão o rodoanel, a duplicação das BRs e o Elevado da Miguel Rosa.

Pavimentação, construção de viadutos e elevados, duplicação de pontes e vias federais, revitalização de avenidas. Essas são algumas das ações de mobilidade urbana que o Governo do Piauí realiza em Teresina com o objetivo de fomentar a economia e estimular o desenvolvimento da capital.

Recém inaugurado, o complexo da ponte Juscelino Kubitschek agora conta com cinco faixas de tráfego no sentido Centro-Leste, um passeio central para pedestres e ciclista, interligando o canteiro central das avenidas Frei Serafim e João XXIII, mais uma praça sob a ponte JK. As obras da reestruturação custaram R$ 31.686.491,73, incluindo a construção da ponte do Meio, dos acessos, reforma da ponte JK e implantação do passeio central. Já a construção das duas praças sob a via, está orçada em R$ 1.696.978,11.

Ponte Juscelino Kubitschek (Francisco Gilásio)
Ponte Juscelino Kubitschek (Francisco Gilásio)

"É uma obra de grande importância para Teresina. A terceira ponte, ou ponte do Meio, já começou a desafogar o trânsito e facilitar a trafegabilidade na região central da cidade, melhorando a qualidade de vida das pessoas. Já a praça, passa a ser uma opção a mais para a cultura local, transformando um espaço, antes degradado, em um ambiente agradável e aconchegante, com um anfiteatro e um mirante para o rio", destaca o governador Wellington Dias.

Rodoanel e duplicação das BRs

Com 95% já concluído, o Rodoanel de Teresina é outra importante obra de mobilidade executada pelo Governo do Estado. Após a inauguração, prevista para o mês de outubro, espera-se uma redução no tráfego de, pelo menos, 5 mil veículos de cargas que diariamente passam na área urbana da capital. A última etapa consiste na construção das alças do viaduto da BR 316, implantação dos dispositivos de segurança e sinalização. Ao todo, R$ 125 milhões foram investidos o Rodoanel.

Quanto à duplicação da BR 316, na qual estão sendo investidos mais de R$ 63 milhões, o diretor do Departamento de Estrada de Rodagens (DER), Castro Neto, garante que as obras seguem dentro do cronograma. Com 8,4 km de extensão, a via está com cerca de 60% dos trabalhos concluídos. A estrada contará com quatro viadutos, duas faixas de 7,2m, acostamento e faixa de segurança. Já as pistas marginais, terão duas vias, ciclovia de três metros e calçadas de dois. Além das pistas, serão feitos acessos, duas passagens de desnível e duas passarelas para pedestres.


A previsão de entrega da via é para o segundo semestre de 2018. “Teresina conta com poucos viadutos e nossas rodovias de entrada e saída não são duplicadas, o que ocasiona congestionamentos, acidentes e mortes. Agora, temos um grande investimento em mobilidade e essas obras facilitarão a vida do condutor, pedestre e ciclista, além de desafogar o trânsito. As obras serão um marco na mobilidade urbana da capital", avalia Castro Neto.

Elevado da Avenida Miguel Rosa

A este conjunto de obras soma-se o elevado da Avenida Miguel Rosa, onde mais de R$ 24 milhões estão sendo investidos. Com mais de 80% concluída, a obra visa dar mais fluidez ao trânsito de Teresina a Timon, no Maranhão, e do Centro da capital a bairros da zona sul. Após a finalização do cronograma da primeira etapa, a obra segue para um segundo momento, quando serão escavadas as trincheiras e instalados os sistemas de drenagem e desvio de adutoras. A previsão é de que o elevado seja entregue até o final do ano.

Elevado da avenida Miguel Rosa (Francisco Gilásio)
Elevado da avenida Miguel Rosa (Francisco Gilásio)

Pavimentação e urbanização

Já dentre as ações que otimizam os principais acessos das regiões mais afastadas do Centro da capital, está a duplicação da estrada da Usina Santana, com 12 km de extensão e investimento de R$ 51 milhões.

Diversas famílias da zona rural também foram beneficiadas com a pavimentação poliédrica de quatro vias do povoado Cacimba Velha, onde foram aplicados recursos no valor de R$ 700 mil. "Éramos isolados, quando tínhamos algum problema de saúde, era complicado o atendimento por causa das estradas ruins. Agora, melhorou muito, até a minha clientela aumentou", conta a dona Janete, artesã local.

As obras de urbanização do Governo do Piauí na capital também contemplam a avenida Nossa Senhora de Fátima, na zona leste. Com investimento de mais de um R$1.300 milhão, a revitalização dessa área consolidada como polo gastronômico também representa um avanço no turismo da capital. "O projeto contempla a padronização das calçadas com nivelamento, ou seja, retirada dos obstáculos para que as pessoas com deficiência não tenham dificuldade de mobilidade. Há ainda a padronização do canteiro, a melhoria da iluminação e a implantação de sinalização horizontal", afirma o secretário de Estado dos Transportes, Guilhermano Pires.

Autoria: Lorenna Costa

domingo, 6 de agosto de 2017

Demolição de prédios históricos foi motivada por arquitetos modernistas

08/03/2015 - Época

Lúcio Costa, o urbanista que projetou Brasília, defendia que só dois estilos mereciam preservação no Brasil. Como resultado, perdemos tesouros no Rio, em São Paulo e em outras capitais

MARCELO BORTOLOTI

“BASTARDO” O Palácio Monroe, no Rio, demolido  em 1976. Ele era  um  exemplo da arquitetura eclética, desprezada  por Lúcio Costa (Foto: José dos Santos Affonso/Instituto Moreira Salles )
“BASTARDO” O Palácio Monroe, no Rio, demolido  em 1976. Ele era  um  exemplo da arquitetura eclética, desprezada  por Lúcio Costa (Foto: José dos Santos Affonso/Instituto Moreira Salles )

Nos anos 1930, a Avenida Central no Rio de Janeiro, atual Rio Branco, era uma versão tropical da parisiense Champs-Élysées, tomada por prédios ecléticos de influência francesa. Havia exemplares belíssimos, como o Hotel Avenida, com seus 220 quartos de luxo, e o imponente Palácio Monroe, primeiro projeto brasileiro a ganhar um prêmio internacional de arquitetura. Nessa mesma época, em São Paulo, ao longo da Avenida Paulista, espalhavam-se palacetes construídos por imigrantes europeus. Prósperos, reproduziam a linguagem arquitetônica de seus países de origem. Em Salvador, bairros como o Corredor da Vitória eram tomados por charmosos edifícios neoclássicos. Tudo isso foi abaixo, e não apenas por culpa da especulação imobiliária. A desfiguração dessas e de outras capitais brasileiras aconteceu com a complacência e o apoio de quem deveria preservá-las.

O Serviço do Patrimônio Histórico, atual Iphan, criado em 1937, tinha à frente um grupo de modernistas, influenciado pelo arquiteto Lúcio Costa. O grupo detestava a arquitetura eclética. Para eles, o verdadeiro estilo brasileiro era o colonial, abundante nas cidades históricas mineiras e nas igrejas barrocas do Rio e Salvador. Esse pensamento ajudou a construir uma visão parcial do passado brasileiro, em que não cabiam prédios ornamentados, de influência francesa. Para o grupo, quanto menos desses prédios existisse, melhor. “Os modernos viraram árbitros do que era bom ou ruim na arquitetura. Resgatavam o passado e diziam como seria o futuro. Para eles, a arquitetura eclética era um hiato na linha evolutiva das construções no país”, diz o arquiteto e antropólogo Lauro Cavalcanti. Ele é o autor de Dezoito graus – livro que acaba de ser lançado e que, ao romancear a construção do Palácio Capanema, narra o embate entre ideias divergentes quanto à arquitetura nacional.

>> 120 anos nos labirintos da Justiça

A concepção do Palácio Capanema, em 1935, marca o início simbólico da caçada à arquitetura eclética. Naquele ano, o Ministério da Educação e Saúde abriu um concurso de arquitetura para a construção de uma sede no Rio. O vencedor, escolhido por uma comissão independente, foi Archimedes Memória, arquiteto renomado. Ele desenhou um edifício neoclássico, elogiado por mesclar temas indígenas com elementos do passado brasileiro. O então ministro, Gustavo Capanema, considerou o projeto pavoroso. Pagou o prêmio, mas não quis construí-lo. Com a aprovação do presidente Getúlio Vargas, chamou o arquiteto Lúcio Costa para projetar algo moderno. Nascia assim o Palácio Capanema. O prédio se tornou um marco por motivos diversos, além da importância arquitetônica. Ele deu início à parceria entre Costa e Oscar Niemeyer (que posteriormente fariam Brasília e projetariam a arquitetura brasileira no exterior). E abrigou o Serviço do Patrimônio Histórico, sob o comando de Costa e seu grupo. Eles passaram a decidir o que deveria ou não ser preservado.

A nova arquitetura deveria ser limpa e racional, como professava o arquiteto franco-suíço Le Corbusier. As construções do passado que mereciam preservação eram as de estilo colonial. Costa via uma afinidade entre os dois momentos da história, que formariam a linha evolutiva da autêntica arquitetura brasileira. A herança deixada por Costa e seu grupo na proteção do patrimônio é ambígua. Sua contribuição foi de inegável importância naquele momento em que a arquitetura colonial corria risco iminente. Antes da criação do Serviço do Patrimônio, a Igreja da Sé, em Salvador, primeira grande catedral do Brasil, foi colocada abaixo para a construção de uma avenida. No entanto, a recusa sistemática da arquitetura eclética que resplandecia nas grandes cidades abriu espaço para que fossem cometidos crimes irreparáveis contra o patrimônio histórico brasileiro.

>> O assalto ao Museu Castro Maya. Um crime sem solução

A política oficial de proteção foi completamente direcionada. Da fundação do Iphan até os anos 1970, foram tombados pouco mais de 600 prédios. Destes, 529 eram do período colonial. Lúcio e seu grupo também protegiam a arquitetura moderna, produzida por eles próprios. O Palácio Capanema foi tombado em 1948, um ano após sua inauguração. A Igreja da Pampulha, construída por Niemeyer, foi tombada um ano antes. Enquanto isso, sem proteção, boa parte da arquitetura eclética brasileira sucumbiu. Dos mais de 70 edifícios que havia ao longo da Avenida Rio Branco, no Rio, restaram dez. Em São Paulo, dos grandes casarões da Avenida Paulista, sobraram quatro.

No Rio, então capital federal, ocorreram as maiores transformações. O Iphan resistiu a tombar prédios importantes como o Theatro Municipal e a Biblioteca Nacional. Na década de 1970, o Clube de Engenharia e o Instituto dos Arquitetos do Brasil começaram a pressionar pelo tombamento dos edifícios ecléticos restantes na Avenida Rio Branco. A pressão começou quando iam demolir os prédios do Jóquei Clube e do Derby, para dar lugar a um arranha-céu. A proposta era que se tombassem esses dois e outros sete, entre eles o Theatro, a Biblioteca Nacional, o Palácio Monroe, o Tribunal de Justiça e o Clube Naval, último conjunto eclético remanescente da avenida original. Costa já estava aposentado, mas mesmo assim redigiu um parecer que foi lido em reunião do Iphan, em 1972. Dizia que o Serviço do Patrimônio se dispôs a excluir de sua alçada os prédios de estilo eclético, por considerá-los fora da linha legítima da evolução arquitetônica. Chamava o prédio do Clube Naval de “medíocre” e o do Tribunal de “insignificante”. Posicionava-se contra o tombamento da Biblioteca Nacional e se referia ao “aviltado pavilhão Monroe cuja presença estorvante já não se justifica”.

Depois do parecer, o Iphan desistiu do tombamento do conjunto. Foram preservados, individualmente, apenas a Biblioteca Nacional, o Theatro Municipal e o Museu de Belas-Artes. No mesmo ano, os proprietários demoliram o prédio do Jóquei e do Derby. Em 1976, foi abaixo o Palácio Monroe, apesar de várias manifestações contrárias e da linha do metrô que passaria por baixo dele ter sido modificada apenas para preservá-lo. O arquiteto Ítalo Campofiorito, de 82 anos, que trabalhou com Costa no Iphan, lembra da implicância dos modernistas com o Monroe. “Le Corbusier tinha horror àquele prédio, achava que tinha de ser retirado dali, porque segundo ele era um exemplo do que não se deve fazer em arquitetura”, diz. Maria Elisa Costa, filha de Lúcio, explica o pensamento do pai: “Ele fazia uma distinção entre coisas acadêmicas de boa qualidade, ou seja, merecedoras de respeito, e coisas ‘bastardas’ que ele desprezava, como o Monroe”.

A ira de Costa caiu sobre outros prédios. Um era a sede do Ministério da Agricultura, construída na Praça XV para uma exposição internacional, em 1922. Em parecer de 1972, ele afirmava que a demolição daquela “almanjarra de concreto” lhe “seria do maior agrado”. Em outro parecer, de 1978, que sacramentou sua derrubada, dizia: “Por sua falta de estilo, por sua desproporção, por sua feiura congênita, já nasceu bastardo”. O edifício foi demolido no final dos anos 1970. A política foi adotada nacionalmente. A cidade de São Paulo, que cresceu com os imigrantes no século XIX, não era de grande interesse para os modernistas, por guardar poucos exemplos da arquitetura colonial. Luís Saia, chefe do Iphan em São Paulo e responsável por todos os Estados do Sul, observou: “O gótico da Catedral da Sé, o romântico do Mosteiro de São Bento, o pretendido colonial da Igreja do Carmo são coisas estilisticamente espúrias e infelizes”. Em 1937, Mário de Andrade, que também trabalhava no Serviço do Patrimônio, escreveu numa publicação oficial: “Vagar assim pelos mil caminhos de São Paulo, em busca de grandezas passadas, é trabalho de fome e de muita, muita amargura. Procura-se demais e encontra-se quase nada”. Com essa perspectiva, não se via valor em conjuntos arquitetônicos como o da Avenida Paulista. Praticamente tudo foi abaixo. “O que aconteceu na Avenida Paulista é uma tragédia nacional. São Paulo foi marginalizada, por causa de uma leitura da identidade brasileira que excluía o imigrante”, diz Paulo Garcez, professor de arquitetura da Universidade de São Paulo (USP).

MEMÓRIA A Avenida Rio  Branco, no Rio. De  70 prédios, sobraram dez  (Foto: reprodução Biblioteca Nacional/Ag. Sincro)
MEMÓRIA A Avenida Rio  Branco, no Rio. De  70 prédios, sobraram dez  (Foto: reprodução Biblioteca Nacional/Ag. Sincro)

MEMÓRIA A Avenida Paulista. De dezenas de casarões, sobraram quatro  (Foto: Museu da Energia)
MEMÓRIA A Avenida Paulista. De dezenas de casarões, sobraram quatro  (Foto: Museu da Energia)

MEMÓRIA O arquiteto Lúcio Costa. Ele protegeu apenas dois estilos: o colonial e o modernista  (Foto: Epitácio Pessoa/Estadão Conteúdo )
MEMÓRIA O arquiteto Lúcio Costa. Ele protegeu apenas dois estilos: o colonial e o modernista  (Foto: Epitácio Pessoa/Estadão Conteúdo )

O bairro do Recife Antigo, na capital pernambucana, também tinha uma feição eclética desde que foi reformulado, no início do século passado. Por isso, só obteve o tombamento nos anos 1990. Nesse meio-tempo, prédios antigos foram demolidos ou desconfigurados. Belo Horizonte, fundada no final do século XIX e predominantemente eclética, tampouco contou com proteção. Perdeu o Teatro Municipal e muito do casario antigo. Em Salvador, só foram tombados o centro histórico colonial e alguns exemplares de igrejas e conventos da mesma época. O centro histórico de Porto Alegre horrorizava Costa, pela predominância da cor ocre, característica da arquitetura eclética alemã e italiana. O conjunto resistiu por sorte e só foi tombado em 2003. Antes disso, foram abaixo prédios históricos, como a antiga sede da Caixa Econômica Federal.

>> Inquietação urbana

Nos anos 1980, a criação de órgãos de proteção estaduais e municipais deu maior diversidade – e generosidade – ao olhar responsável pelo zelo com o patrimônio. No Iphan, as novas gerações de técnicos reconhecem a política enviesada do passado. Ainda que o ponto de vista de Costa e dos modernistas tenha ajudado a moldar as cidades brasileiras e influenciado a maior parte da intelectualidade, não chegou a atingir, como pretendia, o gosto da população. Mantém-se a preferência do público pelos “bolos de noiva”, prédios com fachadas repletas de detalhes decorativos e mistura de estilos. Hoje, o Palácio Capanema, no centro do Rio, exemplar magnífico da arquitetura moderna, recebe eventualmente a visita de um ou outro estudioso. Um pouco adiante, os turistas se apinham na Biblioteca Nacional, exemplo da arquitetura eclética.