segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Aos poucos, Paraitinga reconstrói patrimônio

17/10/2010 - O Estado de São Paulo - Luiz Guilherme Gerbelli 


Primeira fase da recuperação das Igrejas Matriz e das Mercês termina nesta semana, com reconstituição de imagens sacras e casarões históricos

A primeira fase de recuperação do que restou das Igrejas Matriz e Nossa Senhora das Mercês, em São Luís do Paraitinga, destruídas na enchente do início do ano, será concluída até o fim desta semana. Com isso, a reconstrução destes imóveis pode começar, mas a data de início das obras depende de aval do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat).

A inundação que atingiu a cidade em janeiro foi a maior desde 1930. O Rio Paraitinga subiu dez metros, arrastou casarões históricos e a estrutura das duas igrejas. A etapa inicial constituiu no salvamento do que restou das edificações e das peças santas. Para evitar desabamentos, as colunas das igrejas foram estancadas e os altares, isolados.

As edificações ainda ganharam coberturas para que o mau tempo não atrapalhe a reconstrução, que deve durar dois anos e custar R$ 15 milhões. Os governos federal e estadual dividiram as incumbências. O primeiro ficará responsável pela Mercês, enquanto a Matriz será reconstruída pelo Estado.

As obras foram discutidas com os moradores em audiências públicas. Construídas no século 19, a Matriz havia passado por diversas reformas, a última em 1927, mas a Mercês manteve a estrutura original. "O projeto definido prevê que a Matriz mantenha a estrutura que foi danificada pelas chuvas e não a original", disse Lilian Mansur Andrade, gerente-geral da Fundação Dom Couto, entidade ligada à Diocese de Taubaté e que cuida do processo de restauro.

Ainda interditados, os prédios históricos estão sendo reformados. As vias que dão acesso a Paraitinga estão em obras e muros de contenção são feitos nas encostas. Em melhores condições, a prefeitura promete retomar o carnaval em 2011. Para evitar um caos na cidade, a entrada de carros deve ser controlada. Há na cidade 1,5 mil vagas de Zona Azul. A expectativa é que o evento atraia 15 mil turistas.

Restauro. O trabalho de reconstrução inclui cinco restauradores que se debruçam sobre 14 imagens santas da Matriz. As peças foram encontradas durante o trabalho de salvamento. "A imagem de Nossa Senhora das Mercês foi muito danificada. Ela se quebrou em quase cem pedaços, mas as pessoas nem vão notar a diferença", diz Adriano Carvalho, da construtora Biapó, responsável pela restauração.

A previsão é que as peças sejam entregues para a igreja na próxima semana. O valor estimado de todo o trabalho é de R$ 2 milhões, incluindo a participação da empresa no salvamento. "Queremos marcar a entrega das peças com uma missa", afirma Carvalho.

Segundo ele, as peças danificas que ficam expostas em museus não costumam ter as partes perdidas repostas. No caso de Paraitinga, isso será diferente. "Por ser tratada como devoção, essas imagens serão reconstituídas. Se um santo perdeu um dedo, nós vamos refazer."

A restauradora Juliana Fabrino, de Belo Horizonte (MG), está há dois meses em Paraitinga. Segundo ela, as imagens estavam bem danificadas, porque passaram muito tempo debaixo d"água. "A madeira absorve a água e incha, o que prejudica muito a peça", diz. De acordo com Juliana, a comunidade está envolvida no restauro. "Os moradores trazem imagens pequenas para serem restauradas."

Nenhum comentário:

Postar um comentário